Na maioria dos textos sobre solidariedade nos reportamos a pessoas aparentemente fracassadas. Um profissional que não conseguiu ou perdeu o emprego, um indivíduo que não faz parte de uma família bem estruturada, um atleta que não atingiu um bom rendimento, um estudante que não obteve o suficiente para passar de ano na sua escola e tantos outros exemplos que poderíamos acrescentar aqui.

Pessoas e mais pessoas frustradas com a vida devido aos “nãos” recebidos e que foram se acumulando dentro de seus corações até que a soterraram e fizeram com que se fechassem a tal ponto que perderam a confiança de se abrir até mesmo com aqueles mais próximos. Mas, o que muitas vezes é esquecido é que todos têm problemas. E, muitas vezes, problemas simples para uns são muito complicados para outros. A maneira como as pessoas lidam com isso é diferente e cabe a cada um de nós nos esforçarmos para entender o que se passa com o próximo. Apenas desta forma seremos capazes de ajudá-lo. É importante termos a sensibilidade para percebermos os momentos e sentimentos dos outros e, muitas vezes, uma palavra de amor, um carinho ou simplesmente um ombro amigo é um excelente remédio para a dor que enfrentamos no dia a dia.

Afinal, todos precisamos de apoio, carinho e atenção, seja de quem vier, mas sempre há alguém especial. Quem é o seu? Reflitam….


Texto: Beatriz Biasoli, Beatriz Pacheco, Laura Tavares, Luiza Katriny e Mariana Torquato